Thursday, October 12, 2006

Uma Série de Eventos Desafortunados

Ontem foi um dia de eventos estranhos relacionados com mudanças profundas que estão para acontecer.

A primeira coisa que aconteceu foi que eu fui para uma reunião de manhã e quando estava voltando para a agência o ar-condicionado do carro parou de funcionar. Inexplicavelmente ele voltou a funcionar normalmente no final do dia - obviamente quando estava muito mais fresco. Suei como um porco.

A segunda coisa estranha foi que, ainda voltando para a agência alguma coisa acertou a lateral do carro. Eu vi um OVNI se aproximando a toda velocidade e o barulho, mas não consegui determinar o que era. Como estava passando por uma vizinhança indiana achei que podia ser uma bolinha de críquete, que é quase tão dura quanto uma bola de sinuca.

A terceira é que na hora de pegar a rotatória perto das Emirates Towers todos os sinais estavam desligados. Como esta rotatória é o gargalo para 3 saídas para regiões importantíssimas de Dubai o que deveria ter demorado 3 minutos demorou uma hora e meia - sem ar-condicionado e com calor de uns 35 plus graus.

Agora misturamos a segunda e a terceira coisa estranha que aconteceu e temos mais um evento único. Dubai (ainda) não é a terra dos motoboys, mas pela quantidade de engarrafamentos aqui não vai demorar muito para eles descobrirem esta desgraça e empestearem este lugar de motoqueiros alucinados.

Surpresa minha que, enquanto estou preso no engarrafamento um motoboy pára do lado direito do meu carro e começa a gesticular. Como estava ouvindo meu iPod acho que o figura devia estar falando algo, mas era impossível de ouvir. Mesmo que conseguisse com certeza não ia entender nada. Pensei "Catso da Carmela, este estrupício deve ter acertado meu carro!"

Desci do carro, já que o trânsito não andava mesmo, e fui ver o que o cara queria dizer. Aí vi que ele estava segurando uma coisa estranha na mão. Demorou um pouco para entender que a "bola de críquete" que acertou meu carro era o pombo que o motoqueiro tinha nas mãos. O bichinho ainda estava vivo, mas bem grogue por conta do nocaute técnico no primeiro assalto. Mills Lane teria adorado.

O indivíduo então me entregou a vítima como que dizendo "agora é responsabilidade sua". Eu não sabia muito bem o que fazer por isso deixei o bicho numa sombrinha para se recuperar e lhe desejei melhoras.

Mais sensíveis foram uns caras que estavam atrás de mim. Eles pegaram o pombo e o levaram. Talvez para cuidar do coitadinho, talvez para fazer uma bela fritada. Prefiro imaginar que foi a primeira opção.

Eu continuo achando que pombos são ratos voadores por isso meus sentimentos são conflitantes.

E tudo isso num dia cheio de mudanças.

Depois eu dou os detalhes.

2 comments:

Branda said...

Pombas!

Adriana said...

adorei a história do Pombo! hahahaha só você mesmo e só em Dubai mesmo! ;-)
bjs Titcha